Área do cabeçalho
gov.br

Este sítio foi reprojetado para melhor atendê-lo. Acesse já pelo celular e veja mais essa novidade

Portal da UFC Acesso a informação da UFC Ouvidoria Conteúdo disponível em: Português

Universidade Federal do Ceará
Colégio de Estudos Avançados

Área do conteúdo

Saiba mais sobre os Convidados da LIVE 3 Grandes Temas Avançados

Data de publicação: 26 de outubro de 2020. Categoria: Notícias

Amanhã (27), a partir das 17 horas, o Colégio de Estudos Avançados (CEA) realizará a LIVE 3 da série Grandes Temas Avançados sobre o tema “COVID-19: A CULTURA DA ENFERMIDADE E OS RISCOS DA LIBERDADE”. O acesso à sala virtual do Google Meet será pelo linkhttps://meet.google.com/zhr-uepf-iov .

O evento contará com a participação do Prof. Dr. Ricardo J. S. Pontes (Médico sanitarista e epidemiologista do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Faculdade de Medicina/UFC) e do Prof. Dr. Roberto Briceño-León (Professor de Sociologia da Universidade Central da Venezuela; Docente visitante da UFC).

Prof. Ricardo Pontes abordará a distribuição, os determinantes e as ações de prevenção/controle do processo saúde-doença populacional sob o referencial da Saúde Pública/Epidemiologia. Selecionará alguns processos endêmicos e epidêmicos de relevância médico-social e histórica, destacando seus “modelos” de compreensão e de intervenção coletiva. Nesta perspectiva, tratará da atual pandemia de COVID-19 como um acontecimento a evidenciar desafios sanitários, políticos, epistemológicos e de valores, exigindo a retomada de “demarcações” epistêmicas, científicas, ético-políticas e de defesa do direito individual e coletivo à vida, à saúde e à liberdade. Discussão essa articulada ao contexto sócio-político-cultural contemporâneo brasileiro – regressivo e de ataques sistemáticos aos direitos à saúde decorrentes do movimento da Reforma Sanitária Brasileira, inscritos na “Constituição Cidadã” de 1988 pela Assembléia Nacional Constituinte, após o fim do regime autoritário de 1964-1989.

 

Prof. Roberto Briceño-León pondera que as doenças transmissíveis representam uma ameaça para a sociedade tanto pelos danos que vírus, bactérias ou parasitas podem causar no corpo humano, como pelas respostas políticas que podem ser dadas para a sua prevenção e controle. E considera que esta conferência buscará dar uma resposta aos dilemas das políticas públicas democráticas de saúde, pois com as contribuições da antropologia médica e da filosofia política, podem ser concebidas ações que permitam um controle social sustentável da pandemia e que ao mesmo tempo respeitem e fortaleçam a liberdade individual responsável.

 

SAIBA MAIS SOBRE OS CONVIDADOS

Prof. Ricardo José Soares Pontes é Médico Sanitarista, Epidemiologista e Professor Titular (aposentado) do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará.  Graduou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP (1979), onde fez Residência Médica (1980-1982) em Medicina Preventiva e Social. Especializou-se como Médico Sanitarista pela Faculdade de Saúde Publica da USP (1980).  Concluiu Mestrado (1988) e Doutorado (1992) em Medicina Preventiva, no Departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP. Fez Pós-Doutorado em Epidemiologia e Doenças Tropicais (1996-1997) no Department of Tropical Medicine, Harvard School of Public Health. Foi Médico Sanitarista (concursado) de carreira da Secretaria de Saúde de São Paulo (1983-1984) e professor efetivo do Departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/ USP (1984 – 1991). Ingressou no Departamento de Saúde Comunitária da Faculdade de Medicina/UFC em 1992, onde coordenou a implantação do Mestrado em Saúde Pública da UFC (1993-1994); integrou o grupo de trabalho que implantou o primeiro doutorado em Saúde Coletiva do Estado do Ceará em associação ampla da UFC/UECE/UNIFOR (2007); coordenou a implantação do Doutorado em Saúde Pública da UFC (2014). Foi consultor do Ministério da Saúde na Avaliação do Programa de Controle das Doenças Endêmicas do Nordeste em 1992 e avaliador do Programa Nacional de Epidemiologia de Campo (EPI-SUS), organizado pelo Ministério da Saúde, em parceria com o CDC, Atlanta, EUA, para formar os epidemiologistas de nível central nacional, em 2002 e 2006. Participou da Gestão Municipal da Saúde em Fortaleza e da Coordenação do Polo de Educação Permanente em Saúde de Fortaleza no período 2006 – 2009. Assessorou durante a vida acadêmica as Secretarias Estadual e Municipal de Saúde nas ações de controle de várias epidemias incidentes no município e no estado; e o Conselho Estadual de Saúde em diversas  avaliações do Plano Estadual de Saúde.  É fundador e membro do Observatório de Políticas Públicas – OPP da Universidade Federal do Ceará (2006-2020). Desenvolve linhas de pesquisa e orientação na avaliação de políticas de saúde e em ações de prevenção/controle dos agravos de relevância em Saúde Coletiva.

 

Prof. Roberto Briceño-León é atualmente Professor visitante da Universidade Federal do Ceará e Professor de Sociologia da Universidade Central de Venezuela. Foi professor dos cursos de mestrado e doutorado em parasitologia onde fundou a cadeira de sociologia da parasitose. É o diretor fundador do LACSO, Laboratório de Ciências Sociais. Foi professor na Universidade Sorbonne-Nouvelle, Paris III, e na Universidade Autônoma do México. Bem como pesquisador associado no Saint Antony’s College, Oxford University e no Wilson International Center for Schollars, em Washington, DC. Foi membro do Comitê Consultivo em Pesquisa em Saúde (CAIS) da OPAS em Washington e do Painel Consultivo de Especialistas em Doenças Parasitárias da OMS. Dirigiu um programa de pequenas bolsas de pesquisa em ciências sociais e saúde para a América Latina do Programa de Pesquisa e Treinamento em Doenças Tropicais, TDR do PNUD-Banco Mundial-OMS. Foi membro dos Comitês de Especialistas da OMS em Pesquisa Socioeconômica, Pesquisa Aplicada e Doença de Chagas, além de consultor em aspectos sociais e culturais de programas de doenças transmissíveis na África, Ásia e América Latina. Ele tem sido um dos impulsionadores da abordagem Ecosalud na América Latina. Publicou mais de 200 artigos e 26 livros, individuais ou editados, entre eles na área de saúde pública: La Casa Enferma. Sociologia de la Enfermedad de Chagas (Caracas, Acta Científica, 1990); Las Enfermedades Tropicales en la sociedad contemporánea (Com Joao Carlos Pinto Dias, Acta Cientifica, 1993) Doenças Endêmicas: abordagens sociais, culturais e  comportamentais ( Com Rita Barradas Barata, Rio de Janeiro, Fiocruz, 2002), Applying Health Social Science. Best Practice in Developing World (Com Nick Higginbothan y Nancy Johnson, London, Zed Books, 2001); Salud y Equidad: una mirada desde las ciencias sociales, (Con María Cecília de Souza Minayo e Carlos E. A. Coimbra, Jr. Rio de Janeiro, Fiocruz, 2002). Arnoldo Gabaldon. Un siglo en una vida (Caracas, El Nacional, 2011).

Acessar Ir para o topo